Rádios comunitárias

RÁDIOS COMUNITÁRIAS
Um outro viés de comunicação

Por Liana Coll em 17/8/2010 – Direto do Observatório da Imprensa

Abrimos uma porta de madeira. Bom, na verdade ela está entreaberta. Quando se entra ali, os cartazes nas paredes de uma saleta de reuniões vão aparecendo. “Fora Yeda”, “Desaparecidos” (desaparecidos do período ditatorial brasileiro) definem o interesse por política. Olhando ao lado, uma sala com dois computadores, a qual é separada de outra sala por uma parede de pouco concreto e muito acrílico. São os ambientes da sala de redação e do estúdio de gravação, respectivamente. Assim como quase todas as rádios, de uma sala se vê o que se passa na outra. É basicamente nesses três ambientes em que se encontra o espaço da RádioCom.

De estação de rádio em estação de rádio não muda muita coisa. Muda o estilo de música predominante na emissora, muda a voz dos apresentadores. De resto, praticamente o mesmo foco de notícias, as frases simples e diretas, a previsão do tempo e, claro, a enxurrada de comerciais publicitários. Rádio sobrevive dos anúncios. Uma equipe radiofônica abrange técnicos operadores, radialistas, jornalistas e prestadores de serviço que ganham salário assim como em qualquer outro emprego. O problema é que depender da venda de espaço publicitário pode trazer, digamos, uma leve pressão ideológica junto. Porém, de uns anos para cá, a aparição de rádios denominadas “comunitárias” fura essa pressão predominante na comunicação. A pelotense RádioCom, 104.5FM, é uma destas. Leia artigo na íntegra!

Anúncios

Sobre Juciano Lacerda

Juciano de Sousa Lacerda é professor do Curso de Comunicação Social e do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Mídia da UFRN. Coordena o LAPECCOS - Laboratório de Pesquisa e Estudos em Comunicação Comunitária e Saúde Coletiva. É membro fundador do INPECC - Instituto Nacional de Pesquisa em Comunicação Comunitária (LECC-UFRJ/LAPECCOS-UFRN/LACCOPS-UFF). Integra os Grupos de Pesquisa PRAGMA/UFRN e Processocom/Unisinos. É membro do Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva (NESC-UFRN). É pesquisador da Rede Amlat (Brasil/Venezuela/Equador/Argentina). É Vice-Coordenador do GP Comunicação e Cidadania da Compós (2017-2018). Foi Coordenador do GP Comunicação para a Cidadania da INTERCOM (2013-14).
Esse post foi publicado em Comunicação Comunitária, Democratização da Comunicação, Relatos de Experiências e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s